quarta-feira, agosto 18, 2010

Carta de Um Professor aos Baianos

Recebemos por e-mail essa "carta" que mostra-se muito coerente, servindo para mantermos nossos olhos abertos e esclarecer que as coisas não são como querem que pareçam:

O governador Wagner, de acordo com amostragem realizada por um instituto de pesquisas e divulgada em 27.07. foi considerado o 2º melhor governador do Brasil. Ainda segundo a pesquisa, Wagner obteve 43% de aprovação da população baiana, marcando 134 pontos numa escala de 0 a 200 que corresponde a uma nota 6,6.

Notem entretanto que a pesquisa aconteceu depois que governadores como Aécio Neves e José Serra deixaram seus mandatos para candidatarem-se a outros cargos públicos. Foi realizada também depois que Wagner gastou 109 milhões de reais em propaganda em 1 ano, enquanto destinou 26 milhões para a segurança, no mesmo período.

Independente destes fatos, por si só capazes de levar qualquer governador a ficar na cabeça dos cidadãos e de qualquer lista dos “melhores”, é estranho ver motivos de comemoração e alegria numa aprovação de menos da metade da população, com uma nota que pelos critérios do MEC leva à uma bateria de aulas intensivas de recuperação e a uma nova prova, para ver se consegue alcançar a nota 7,0 que é a mínima para aprovação.

Como professor do ensino médio em Salvador, estou acostumado a receber constantemente pais de alunos aborrecidos, revoltados, preocupados porque seus filhos tiraram notas abaixo de 7,0 e ansiosos em saber “o que está acontecendo com o menino?”.

Notas abaixo de 7,0 representam um rendimento fraco, um desempenho abaixo do necessário para ser aprovado. Se v. tem filhos em idade escolar, sabe muito bem qual é a sensação de abrir um boletim e encontrar lá notas 6,0 ou 6 vírgula alguma coisa. É decepcionante.

Esta é também a sensação que me domina e certamente deve dominar quem ama a Bahia e quer ver o seu desenvolvimento, quando recebemos a informação de que o governador do estado não alcança a nota mínima para “passar” de ano. Não importa em que lugar ele está entre os reprovados, pois nesta pesquisa que foi realizada, apenas o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, teve nota superior a 7,0 e foi aprovado.

A grande verdade é que temos um governador “abaixo” da média, aprovado por menos da metade da população e pior ainda: mesmo esta pontuação baixa só foi alcançada porque os melhores não estavam no páreo, ele se manteve na mídia durante anos seguidos e muito mais intensamente nos meses anteriores à pesquisa, quando sua propaganda inundou a Bahia.

Como professor do ensino médio, vivo a decepção de ver a Bahia em penúltimo lugar no Brasil em desempenho no ensino fundamental, com nota 3,1 e de apenas 24% dos jovens baianos concluírem o ensino médio. Vivo diariamente o drama da educação deficiente, da falta de escolas, da ausência de qualificação dos professores, do caos das instalações físicas e tantas outras mazelas do nosso ensino. Como professor e cidadão baiano posso entender com facilidade que nota 6,6 para o governador de nossa terra é uma vergonha.

Principalmente quando este governador é do mesmo partido do presidente Lula, seu amigo há mais de 30 anos e seu compadre. Com tudo isso ele não conseguiu aprender as lições que fizeram o Nordeste crescer e a Bahia, não saiu do lugar. Com tudo a seu favor ele tira a frágil nota 6,6 como gestor do estado e ainda considera uma grande conquista.

Sinceramente, vocês devem de concordar comigo: a Bahia merece notas melhores. Pensem nisso até 3 de outubro.



CARLOS ALBERTO SANTA CRUZ

Professor do Ensino Médio em Salvador, Bahia
Leia mais...

terça-feira, agosto 17, 2010

Rádio-Novela - Bimba e Pastinha

História de dois, dos mais importantes mestres de capoeira da Bahia. Bimba e Pastinha. Saiba como foi as suas iniciações na capeoira. Dos mestres dos mestres à motivação de entrar para o mundo da mandinga!

Produção da TVE Bahia:


Leia mais...

domingo, março 28, 2010

Coisa de Jornalista #6 - A arte de escrever

A arte de escrever vai além de um simples exercício ou da prática cotidiana, como dizem alguns grandes jornalistas. Como escrever sem feeling? A alma de um grande escritor é translúcida, florescente, brilha no escuro. Suas palavras não precisam clamar para serem lidas, elas pulam aos seus olhos de tal forma a ser impossível que não ás veja e não ás admire. Não quero dizer que não escrevas só por não ter as estrelas nas pontas dos dedos, ou quero dizer com falsa modéstia que eu ás tenha, muito pelo contrário.

O bom escritor deve ter dentro de si uma criança incansável, questionadora, super ativa. Imaginação é a palavra-chave. Escrevas tu um poema, uma grande reportagem ou apenas uma notícia corriqueira. Imaginar além do fato. Enxergar além do que se vê. Assim espera-se de um grande autor, criatividade e suor. ‘Escrever é um suplício para quem gosta de escrever... Dá prazer ler um texto bem escrito. Escrevê-lo não dá prazer, dá trabalho’, disse Ricardo Noblat em um de seus livros que sem meias palavras fazem você se achar um ‘puta’ escritor ou mudar de profissão em fração de segundos.

Por que os jovens pseudo-escritores (assim como eu) adoram achar que tem um vocabulário super extenso e ficam usando palavras sob uma ornamentação barroca, do século passado, pensando assim em dar mais glamour à seus escritos? Simplicidade é a resposta para todas as perguntas. Simplicidade e clareza. Precisamos fixar na memória que nós não escrevemos para PhDs em nada, especialistas ou iniciados nesse ou naquele assunto, escrevemos para pessoas comuns, assim como eu e você.

Não vou me alongar demais, fica essa dica também, textos e frases grandes são cansativos, eu pelo menos me canso e largo pelo caminho das letras perdidas belos textos. O grande Vinicius de Moraes já dizia ‘Uma frase longa não é nada mais do que duas curtas’, resumindo, seja breve! Se puder contar uma história em 5 linhas por que contar em 10? Ser breve não implica em ser raso, vago, sem coerência. É ser conciso.
.
.
.
Ps. Desculpa pelo atraso de não ter postado ontem emermada... os dias estão correndo e eu não tenho pique de maratonista para acompanhar.
Rafaela Ventura.
Leia mais...

sexta-feira, março 26, 2010

Colé de Mermo #6 - Salve Salvador

Rapidinhas Mermo

+ Se você é/ou conhece alguém dos mais diversos segmentos de Artes Visuais, fiquem ligados: Último dia para inscrições no Edital Salões Regionais de Artes Visuais da Bahia

+ Convocação pública para atendimento a iniciativa do Teatro de Rua. O objetivo é mapear essa rede artística para estabelecer uma política adequada de fomento aos grupos: Lançado cadastramento para Grupos de Teatro de Rua

+ Em comemoração aos 461 anos da cidade de Salvador uma série de eventos será realizado na cidade. Como, visita de historiadores à colégios públicos e projetos sociais levando grupos ao Centro Histórico da Cidade. Exposisão Reviver Salvador, com fotografias dos séculos XVIII, XIX e XX, mostrando o desenvolvimento da cidade. já está em cartaz na galeria da Praça Pedro Arcanjo, fica até o dia 31/03. A programação completa você confere: Aniversário de Salvador será comemorado no Centro Histórico e nas bibliotecas

Informações: Plug Cultura

É Mermo! Salvador 461 ANOS!

Av. ACM

Vamos homenagear a cidade apresentando duas músicas antagônicas, sabemos muito bem que temos o lado bom e o lado ruim presente por aqui. Parabenizamos Salvador acreditando que possa desenvolver-se de forma mais equilibrada. 2010 é ano de eleição fiquem espertos!

Netinho - Prefixo de Verão/We Are The Carnaval/Um frevo novo


Inkoma(Pitty) - Salve Salvador - Letra


Estréia Nacional Mermo!

Os Inquilinos, filme nacional brasileiro com Ailton Graça, Caio Blat e Cássia Kiss. Conta a história da realidade de uma família de periferia que é alterada com a chegada de três jovens barulhentos que alugam a casa vizinha. Valter, Iara e seus dois filhos pequenos passam a dormir mal. Enquanto ele se atormenta com as mudanças no cotidiano de sua rua, Iara lhe parece cada dia mais bonita desde a chegada dos inquilinos. Vencedor dos prêmios de melhor roteiro e melhor atriz para Ana Carbatti(Iara) no Festival do Rio 2009.

Os Inquilinos - Trailer


Colé de Mermo dos Destaques do Final de Semana?!

Sexta-Feira (26/03/2010)

Noite Fora do Eixo – Instrumental! - A 2ª edição da festa conta com as bandas Camarones Orquestra Guitarrística (RN), Vendo 147 e Tentrio, em uma noite de rock instrumental, que conta ainda com a participação do DJ Big Bross. 2º piso da Boomerangue – R. da Paciência, 307, Rio Vermelho. R$ 5 (até a meia-noite) e $ 10 (após a meia-noite). A partir das 23h. 18 anos.

Forró da AABB 2010 - Continua, neste fim de semana, a série de shows de forró no clube, que vão até o São João. Adelmário Coelho é o anfitrião da festa, que convida, Forrozão e Seu Maxixe. Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB) – Piatã. R$ 30. A partir das 22h.

Alegria de Viver - Texto: Deborah Moreira. Direção: George Mascarenhas. Com: Deborah Moreira e George Mascarenhas. Inspirada na obra do pintor Matisse, espetáculo multimídia conta a história de um escultor que deseja se desfazer do seu passado e de suas obras. Revoltada, uma escultura ganha vida para reinvindicar. Teatro Sesi – Rio Vermelho (3334-4698). R$ 20 e R$ 10. Às 20h.


Sábado (27/03/2010)

Rosa de Saron - A banda de rock católico, apresenta o show do DVD Rosa de Saron Acústico e Ao Vivo. Estádio Municipal Reitor Edgar Santos – Centro, Simões Filhos - R$ 25 (casadinha), R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia). Às 19h.


Toquinho e MPB4 - O espetáculo será uma síntese da trajetória desses artistas, que homenagearão Vinicius de Moraes, principal parceiro de Toquinho e Chico Buarque, que já chegou a considerar-se o “MPB-5”. O público poderá reviver sucessos e ainda curtir histórias da MPB contadas com graça, humor e com uma dose de picardia. Teatro Castro Alves – Campo Grande. R$ 150 e R$ 75 (Filas A a P), R$ 120 R$ 60 (Q a Z) e R$ 100 R$ 50 (Z1 a Z11). Às 21h.


Zezé de Camargo e Luciano - Marcando o o encerramento oficial da Liquida Salvador 2010, a dupla faz show neste sábado. Durante o evento, serão sorteados para os participantes da Liquida um utilitário esportivo Honda CR-V, três Celtas e dez motocicletas. Wet'n Wild. R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia). Às 21h.

Um Caso de Língua - Texto: colagem. Direção: Carmem Paternostro. Com Urias Lima. O espetáculo faz um mosaico da formação do português brasileiro, a partir das influências de três matrizes lingüísticas: africana, portuguesa e tupi. Integra a I Edição da Mostra de Monólogos. Teatro Gamboa Nova – Gamboa (3329-2418). R$ 10 e R$ 5. Às 20h.


Domingo (28/03/2010)

Maglore / Suinga - A Maglore faz sua mistura entre rock e sons latinos, em especial brasileiros. Já Suinga faz releitura de gêneros do Carnaval (partindo da década de 1970) e da música popular. World Bar – Barra (8744-7484). R$ 10. A partir das 18h.

O Círculo - A banda convida Kayman e Biosônica para o último dia do projeto O Círculo Convida. Boomerangue – Rio Vermelho (3334-5577). R$ 9,99 (sem taxa de consumação). A partir das 17h. 18 anos.

Samba D‘Ju - A banda feminina encerra o domingo com samba no Botequim São Jorge – Rio Vermelho (3334-8181). R$ 10. A partir das 18h.

O Sapato do Meu Tio - Texto e atuação: Lúcio Tranchesi e Alexandre Luis Casali. Direção: João Lima. Tio começa a ensinar a arte do palhaço para o sobrinho, revelando uma relação de poucas palavras, mas cheia de respeito, humor e muita poesia. Teatro Sesc Casa do Comércio – Av. Tancredo Neves(3273-8732). R$ 30 e R$ 15. Às 20h.
Leia mais...

quinta-feira, março 25, 2010

Pregadas #5 - O futuro, o amanhã e o próximo segundo

Ultimamente tenho me perguntado qual a minha missão na Terra. Por que e pra que estou aqui. Qual o objetivo da Providência em confiar a mim a minha própria vida. Sigo buscando sinais, tentando encontrar respostas a partir dos estímulos que me propõem. Descobrindo que as coisas, os fatos e as pessoas simplesmente passam a existir, mesmo tendo estado o tempo todo ali diante dos meus olhos. Diante desses espelhos que reproduzem imagens que se eternizarão bem como outras que desaparecerão ao longo da vida simplesmente deixando de existir, mesmo estando o tempo todo ali diante dos meus olhos. Vez ou outra elas voltarão a ser refletidas disfarçadas de passado, encarnadas em lembranças e perpetuadas sob o nome de experiência. Essas imagens representam tudo o que nos é permitido resgatar de tudo aquilo que já não há; que o tempo levou. Paradoxalmente, acredito que tudo que há de real é aquilo que não podemos tocar, porque a matéria segue obedecendo a Lavoisier, mas ele nunca poderá transformar o que se solidificou na abstração. Apesar de tão significante, não é o desafio superado que me preocupa. É a sensação de impotência diante de um inimigo que não para: o tempo. Afirmo que não há nada mais desesperador que a incerteza do próximo segundo. Só nos é dado o poder de saber o que soubemos, mas nunca saberemos o que vamos saber. Nunca nos livraremos da dúvida quanto a sequência cronológica incessante de segredos a serem revelados, mas que por enquanto se escondem por trás das fronteiras do futuro.Viver é como romper barreiras. O presente é onde você está, mas não está mais. Viver, de fato, é alternar os mundos revezando personalidades paralelas e ao mesmo tempo individuais. É ser o mesmo "eu" que existiu, convivendo com o "eu" existente e que já não existirá diante do "eu" que está por vir. Viver o presente, então, é estar milimetricamente equilibrado onde os dois buracos negros nunca poderão te sugar. Estar no presente é estar sempre no mesmo lugar, estando sempre em lugares diferentes. É poder ser uma infinidade de vidas dentro da mesma vida que morre e ressuscita a cada faísca de tempo que se vai. Enquanto o passado precisa ser para não ser, o futuro há de não ser para que seja. O presente é o estado iminente de uma mistura homogênea. O ser e o não ser coexistindo instantaneamente. Presente é vida e morte, é feto e caveira, antes e depois. Pensamentos que desviam-se de rumo e cessam antes mesmo de se chamarem ações. Não sei! Se sou, se serei... Se sei, se não sou, se fui, se seria... Se sempre serei, se "nunca serão". Mas nunca sei com certeza se "ser ou não ser" é a questão.
Leia mais...

sábado, março 20, 2010

Coisa de Jornalista #5 - NewJazz Baiano.

Nascido do blues, das work songs dos trabalhadores negros norte-americanos, o jazz passou por uma extraordinária sucessão de transformações no século XX. É notável como essa música se modificou tão profundamente durante um período de apenas um século. A evolução histórica do jazz, assim como da literatura, das artes plásticas e da música clássica, segue um padrão de movimento pendular, com tendências que se alternam apontando em diversas direções muitas vezes opostas.


Salvador é um balaio de diversidade musical. Cabe em todos os cantos um instrumento diferente, uma batida inusitada. São quereres e formas singulares de mostrar sua essência musical. O jazz não escapa desse tabuleiro! O BOOM do jazz baiano para minha geração dos 20 e poucos anos, me arrisco a dizer, foi apartir das JAM SESSION no Museu de Arte do Moderna (MAM) com Ivan Huol. Uma junção perfeita de boa música, uma bela vista e pessoas interessantes. No verão o JamNoMam vira ponto turístico, pessoas de todo o país se deleitam com aquela música cheia de improviso que mais parece ter sido ensaiada semanas a fio. Outra vertente do jazz conteporâneo baiano vem com o cantor Beto Black, chegando no mercado com o disco 'Dias Livres', com uma batida e uma voz daquelas que entram no ouvido sem fazer esfoço, sabe? Gosto dessa mistura, de ousar nas composições, nos ritmos. Quando questionado sobre a escolha do Jazz como seu estilo musical, Beto diz não temer as opiniões divergentes e acredita sim que há espaço para o Jazz na Bahia e no Brasil.


“Eu tenho experiência com outros estilos musicais, aprendi muita coisa e já trabalhei com muita gente boa, mas minha essência é outra. Eu acredito que sempre haverá espaço para música de qualidade, seja ela qual for, esteja ela onde estiver.” Disse Black.


Para aqueles que pensam que Jazz é coisa do passado, Salvador ta aqui para mostrar que Jazz pode sim ser totalmente 2010!


Agenda:

>>>> Beto Black toca hoje (20/03), na Mega Store da Saraiva. Já o jazz no MAM acontece todo sábado, assim que o sol se deita no Museu de arte moderna.
.
.
.
Jazz para nossos ouvidos!
Té sábado que vem, Emermada.
Leia mais...

sexta-feira, março 19, 2010

Colé de Mermo #5 - Rosa Fubá

É Música Mermo

A banda legitimamente baiana, Pirigulino Babilake, está em fase de pré-produção do seu CD, Rosa Fubá. Prometido ainda para esse semestre, traz músicas de autoria própria compostas por Pietro Leal(vocalista) e parcerias com seus integrantes ou colegas de música. Tem na proposta de seu som, resgatar o som originalmente da Bahia. Como eles mermo dizem, coisa que não se vê desde o tempo do Tropicalismo e do Novos Baianos. Além de Pietro (voz e violão), o time é formado por Guto Miranda (guitarra), Davi Brandão (guitarra), Vinicius Nunes (contrabaixo e vocais) e Gugu Pinto (percussão e vocais).


Já está disponível a PROMO do cd Rosa Fubá. DOWNLOAD

Acesse o Site Oficial.

E encontre a Pirigulino Babilake nas diversas redes sociais. AQUI

Pirigulino Babilake em apresentação no Soterópolis



Estréia Mermo

Denzel Washington reaparece em O Livro de Eli. A estória é o seguinte, em um futuro não muito distante, cerca de 30 anos após o término de uma guerra, um homem solitário cruza a paisagem devastada da América do Norte. Cidades abandonadas, viadutos destruídos, crateras no solo — ao seu redor, as marcas da destruição catastrófica. Não há civilização aqui, nem lei. As estradas pertencem a gangues que matariam um homem pelos seus sapatos, por um gole dágua ou simplesmente por nada. Então Eli (Denzel Washington)atravessa os EUA para proteger um livro que guarda os segredos da salvação da humanidade.

Trailer - O Livro de Eli


Colé de Mermo dos Destaques do Final de Semana

Sexta-Feira (19/03/2010)

Formidável Família Musical - O grupo apresenta algumas músicas novas e antigas. A banda Maglore abre a noite com seu rock tropical. 2º piso da Boomerangue – Rio Vermelho (3334-5577). R$ 20. A partir das 23h. 18 anos.

Forró da AABB - Continua, neste fim de semana, a série de shows de forró no clube, que vão até o São João. Adelmário Coelho é o anfitrião da festa, que convida, Forrozão e Tatau. Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB) – Av. Orlando Gomes, 1.904, Piatã. R$ 30. A partir das 22h.


Sábado (20/03/2010)

Vanessa da Mata / Mariana Aydar / D. Ivone Lara / Mallu Magalhães - Capitaneado por Vanessa da Mata, o projeto Mulheres Brasileiras traz os quatro ícones femininos de diversas gerações da música brasileira para show conjunto na Concha Acústica do Teatro Castro Alves. R$ 60 e R$ 30. Às 19h.

Forró Encosta N'eu - Em ritmo junino, a festa conta com os shows dos grupos Estakazero, Parangolé e Forró do Muído, além dos cantores Tomate e Jau. Wet'n Wild – R$ 120 e R$ 60 (camarote); R$ 60 e R$ 30 (pista). A partir das 20h.

Márcio Mello - O cantor e compositor apresenta o show do seu mais novo álbum, Solitário Punk. A noite ainda terá a discotecagem do DJ Pinguim, residente da casa. Groove Bar - Barra (3267-5124). Às 22h. R$ 20. 18 anos.


Domingo (21/03/2010)

Samba Salvador - O evento reúne grandes nomes do gênero, como Rodriguinho, Alexandre pires, Sampa Crew, Harmonia do Samba, Psirico e Cupim na Mesa. Wet'n Wild – Av. Paralela, s/n (3451-4440). R$ 120 e R$ 60 (camarote); R$ 110 (casadinha camarote) e R$ 60 (casadinha pista); R$ 70 e R$ 35 (pista). A partir das 12h.

O Círculo - A banda baiana recebe os grupos Enio e A Maloca e Soteropolitanos como convidados especiais no projeto O Círculo Convida. Boomerangue - Rio Vermelho (3334-5577). R$ 9,99. A partir das 17h.
Leia mais...